Alcoolismo Feminino

Alcoolismo Feminino


Realmente existe o alcoolismo feminino, sendo que esse é também um enorme problema na vida das mulheres e de seus familiares, apesar de o número de mulheres alcoólatras ser menor do que os de pessoas do sexo masculino, houve um aumento relativo no número de mulheres que fazem uso abusivo dessa substância.

Sendo assim, muitas pessoas ainda não sabem como lidar com esse problema, sendo que na maioria das vezes é preciso comparecer até um centro de reabilitação que servirá para ajudar por completo na reabilitação da paciente que está doente devido ao uso do álcool.

 

Onde buscar ajuda para combater o alcoolismo feminino?

Uma boa dica para lidar com o alcoolismo feminino é exatamente ir em busca de serviços de reabilitação para lidar com o abuso de substâncias, sendo que ainda é importante que cada pessoa acabe desejando ir em busca de ajuda para que o processo já aconteça da forma mais correta.

Ao buscar uma reabilitação justamente voltada para sexo feminino, o familiar da pessoa terá maior conforto em entender que essa pessoa estará protegida e com programas voltados para esse público que realmente está doente e precisando de ajuda.

Sendo assim, é importante sempre buscar informações a respeito dos atendimentos prestados pelos centros de recuperação que tendem a ajudar mulheres que passam por problemas com o álcool e que querem voltar a se sentir úteis para a sociedade e tomar novamente o controle de suas vidas!

 

Veja aqui os dados sobre o abuso de álcool por mulheres

É importante destacar que o alcoolismo feminino está despontando, sendo que de acordo com alguns dados bem inéditos do Ministério da Saúde, os mesmos apontam que em torno de 17,9% dessa população que é adulta dentro do Brasil, as mesmas acabam então usando o álcool abusivamente.

Sendo que esse percentual é 14,7% a mais do que o que foi registrado no país em 2006 que deu um total de 15,6%, apesar de ter um percentual menor, o fato é que as mulheres com atualmente 11% apresentaram um maior crescimento em relação aos homens (26%) no período de 2006 a 2018.

Ademais, em 2006, esse percentual entre as mulheres era de 7,7%, sendo que entre os homens, 24,8%. Esses dados foram pesquisados pela Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas, ela foi feita por Inquérito telefônico da Vigitel no ano de 2018, foram divulgados ainda durante uma Reunião da Comissão Intergestores Tripartite (CIT), em Brasília (DF).

Ademais, essa mesma pesquisa acabou apontando ainda que o uso abusivo entre pessoas do sexo masculino é bem frequente na faixa etária de 25 a 34 anos, sendo que ainda há um total de 34,2%.

Já entre as mulheres a frequência é maior entre as idades de 18 a 24 anos, ficando em 18%, ademais o menor percentual em questão ficou entre homens e mulheres, sendo que ainda foram analisados que entre pessoas com 65 anos ou mais, ficam em 7,2% para homens e 2% para mulheres.

Realmente, esse percentual de consumo abusivo certamente acaba por diminuir entre os brasileiros e geralmente acaba diminuindo ainda mais com o avanço da idade, em qualquer um dos sexos.